O Governo de Roraima realizou nesta quarta-feira (15) a largada para o plantio da safra de grãos (arroz, feijão, soja e milho) e fibras (algodão) 2019. Com o tema Roraima plantando o Desenvolvimento, evento, que ocorreu na Fazenda Vista Montanha, estrada para o Bonfim, reuniu autoridades, agricultores e investidores de várias regiões do Brasil.

 

O governador Antonio Denarium destacou que essa é a largada para a maior produção de grãos e fibras da história do Estado. Para ele, a presença de investidores de outros Estados do país mostra a confiança no governo e que Roraima pode se transformar em um modelo de desenvolvimento para o Brasil.

 

“O nosso governo está trabalhando para garantir a segurança jurídica dos nossos produtores entregando títulos e licenciamento ambiental. Estamos trabalhando para conseguir uma energia elétrica de qualidade, com o linhão de Tucuruí, e para fazer o Zoneamento Ecológico Econômico do Estado, com o objetivo de valorizar os produtores que moram aqui e para trazer nossos investidores como estou vendo aqui hoje. Estou muito feliz”, enfatizou o governador.

 

SAFRA 2019 - A produção de grãos em Roraima, principalmente da soja, surgiu como um importante investimento no Estado.

 

Este ano serão plantados 40 mil hectares do grão. A expectativa de colheita chega a 130 mil toneladas de soja. Na safra de 2018, foram colhidas 120 mil toneladas do grão e em 2017, 90 mil toneladas.

 

Para o presidente da Copsoja (Cooperativa de Soja de Roraima) Emílio Paludo, o clima está ajudando com período de chuva dentro da normalidade e com o trabalho do Governo do Estado foi possível a chegada de novos investidores.

 

“Nós tivemos a felicidade de atrair grandes investidores da Bahia, do Mato Grosso que adquiriam terras aqui e a expectativa é enorme de um aumento significativo na produção. São pessoas que já deram certo em outras regiões do país e com essa política do governo de Roraima vieram investir aqui”, afirmou.

 

Mas não é a soja que ganha destaque nos campos de Roraima. Serão plantados na safra 2019: 15 mil hectares de milho, 10 mil hectares de arroz, 6 mil hectares de algodão, mais de 8 mil hectares de mandioca e 11 mil hectares de banana.

 

A previsão de colheita este ano é de 75 mil toneladas de milho, 78 mil toneladas de arroz, mais de 25 mil toneladas de algodão, aproximadamente 141 mil toneladas de mandioca e 200 mil toneladas de banana.

 

No ano passado foram colhidas 46.486 mil toneladas de milho, 86.855 mil toneladas de arroz, 20.160 mil toneladas de algodão, 140.648 mil toneladas de mandioca e 165.976 mil toneladas de banana.

 

O proprietário da fazenda Vista Montanha, Stefan Sidler é suíço e mora há dois anos em Roraima. Ele conta que o início de todo investimento é difícil, mas que acredita no crescimento de Roraima e dos produtores.

 

“Toda a economia para rodar precisa de crédito e estamos percebendo que o atual governo está atuando nessa linha. Esse evento de hoje vai marcar a história do Estado”, comemorou.

 

Para o secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento Emerson Baú, o evento marca o novo processo de valorização do produtor local e a atração de novos investidores. E o objetivo do governo é transformar Roraima na maior fronteira agrícola do Brasil.

 

“Que nós temos as melhores condições de solo e clima é realidade e se aumentarmos a produtividade tendo os canais de escoamento para que a gente consiga a melhor comercialização vamos nos tornar a melhor fronteira agrícola e nós estamos trabalhando para isso”, disse.

 

Segurança ao produtor

 

Na largada do plantio da safra 2019 foram entregues quatro autorizações de ocupação. Essa autorização é o último degrau antes do Título Definitivo e assegura que todo o processo administrativo para titularização do imóvel foi feito dentro das normas, possibilita o investimento e traz segurança jurídica ao produtor como explicou o presidente do Iteraima Márcio Granjeiro.

 

“Hoje todos os financiamentos solicitam o licenciamento ambiental como pré-requisito e com essa autorização o produtor consegue retirar o licenciamento ambiental e conforme for pode contrair um financiamento”, disse.

 

Quem comemorou foi Fernando Mendes que atualmente é pecuarista, mas com autorização vai poder explorar mais a propriedade.

 

“As possibilidades são infinitas. Posso expandir a criação de gado, posso começar uma plantação. Com essa autorização agora tenho a liberdade de explorar economicamente a propriedade”, disse contente.

 

Também foram entregues três licenças ambientais, sendo que pela primeira vez na história de Roraima, essa licença tem validade de 10 anos.

 

Um dos beneficiados foi a família do Argílio Fonseca. O pecuarista esperou por 42 anos que o documento fosse liberado. Fonseca disse que essa licença vai ficar de herança para a filha.

 

“Esse título significa muito pra mim depois de todos esses anos esperando agora estou mais seguro. E esse documento vai ficar de herança para a minha filha”, disse.

 

 

.